E vejam como são as coisas nesta nossa Itabira velha de guerra. Mal acabei de falar, na última crônica, sobre a surpreendente iniciativa da nossa Câmara de Vereadores em promover uma revisão da nossa Lei Orgânica, da brilhante e feliz proposta da OAB local, entre outras também felizes e brilhantes, de reduzir o número de edis, quando, agorinha mesmo, a Câmara resolve que vai suspender o processo da revisão que mal começou. Dá pra entender? E sabem qual o motivo alegado para a suspensão? O de que está prevista uma revisão constitucional para 1999. Mas isto, minha gente, já era do conhecimento de nossos vereadores antes mesmo da proposta da revisão da Lei Orgânica. E ainda que não fosse, não serve de desculpa, ninguém engole essa, mesmo porque esta revisão da Constituição ninguém sabe se vai sair tão cedo, nem mesmo se vai sair.

Eu acho que as razões são outras, domésticas mesmo. Não tem nada a ver com revisão constitucional coisa nenhuma. É que surgiram propostas que deram susto em muita gente, principalmente aquela da OAB de redução do número de vereadores e que foi logo apoiada por outros segmentos importantes da sociedade. Tremeu o prédio da Carlos Drummond de Andrade. Correria nos gabinetes.”Deus do céu, esta não, vão mexer no nosso bolso. Socorro!!! Gente, vamos propor a suspensão deste negócio. Tá dando zebra. Ufa. Vamos votar. Ahhh! Graças a Deus, conseguimos parar o processo. Acabou a ameaça”. Fica tudo pra depois de 2000. E o povo, gente, o que vai pensar, vai achar que é brincadeira, isto não pode ser assim não, ouviu-se na voz de uns poucos vereadores derrotados na votação.

E lá se vão as propostas para o arquivo. Desapareceu, assim, de uma hora pra outra, a necessidade de atualizar a nossa Lei Orgânica. Bobagem, ela está tão atualizada. Pra que então aquela discurseira toda no rádio, gastando recursos públicos, para dizer que agora não precisa mais da revisão? Pisaram na bola mais uma vez, gente. E aí vem a Copa, todo mundo se esquece e fica o dito pelo não dito. Será que vai ser assim? Vai ficar de graça outra vez???

Um abraço, nunca se esquecendo.