E o mundo acabou coisa nenhuma. Acabar não acabou não, mas muita gente acreditou que acabaria. Nostradamus tem certa credibilidade e a verdade é que ninguém podia afirmar com absoluta certeza que nada iria acontecer. Fim de milênio, mês de agosto, profecia de Nostradamus, quem poderia garantir que o mundo não iria mesmo acabar? Cientificamente falando, dizem que não havia o menor sinal de que o fim do mundo iria acontecer, mas, deixando de lado a gozação, nem mesmo os cientistas poderiam garantir que o mundo não acabaria, pois, como vocês sabem, um simples toque em um botão e nossos olhos estariam vendo o apocalipse.

Às oito horas da manhã de uma insípida e burocrática quarta-feira, você que já se levatou, escovou os dentes e fez a barba, chega na janela e vê o céu todo vermelho e pensa, aí já apavorado: “está acontecendo, gente. O mundo está acabando”. E agora, o que fazer, correr ao banco para tirar dinheiro? Deve ter a maior fila. Ir ao escritório para terminar aquela petição? Não, é melhor telefonar, será que ainda tem telefone? Para avisar a secretária que ela pode ir para casa porque o mundo está acabando. Ligar, antes que o telefone fique mudo, para os filhos, irmãos, pai, mãe e se despedir? Será que ainda dá tempo de tomar o café da manhã? Preciso por gasolina no carro. Vamos ver o que está passando na TV. Será que o mundo também está acabando na Europa, na África, nos Estados Unidos, tudo ao mesmo tempo? Meu Deus do céu, o mundo está acabando, logo hoje que eu queria ver o jogo do Galo contra o Palmeiras na televisão. Poxa, logo hoje que eu tenho certeza que vai dar Atlético*. E minha viagem a Recife, o pacote de férias que eu já comprei, será que me devolvem o dinheiro? Por que não acreditei? Eu já podia ter resolvido tudo isto com calma, assim em cima da hora, não vai dar.

Ainda bem que foi só um eclipse, pelo menos foi o que deu na televisão antes que tudo sumisse. E não adiantava mudar de canal, era só silêncio e escuridão…

Um abraço, que fico por aqui.

Crônica de agosto de 1999.

* O Galo venceu o jogo por 2 x 0. Gols de Guilherme e Belletti.

E vejam como são as coisas nesta nossa Itabira velha de guerra. Mal acabei de falar, na última crônica, sobre a surpreendente iniciativa da nossa Câmara de Vereadores em promover uma revisão da nossa Lei Orgânica, da brilhante e feliz proposta da OAB local, entre outras também felizes e brilhantes, de reduzir o número de edis, quando, agorinha mesmo, a Câmara resolve que vai suspender o processo da revisão que mal começou. Dá pra entender? E sabem qual o motivo alegado para a suspensão? O de que está prevista uma revisão constitucional para 1999. Mas isto, minha gente, já era do conhecimento de nossos vereadores antes mesmo da proposta da revisão da Lei Orgânica. E ainda que não fosse, não serve de desculpa, ninguém engole essa, mesmo porque esta revisão da Constituição ninguém sabe se vai sair tão cedo, nem mesmo se vai sair.

Eu acho que as razões são outras, domésticas mesmo. Não tem nada a ver com revisão constitucional coisa nenhuma. É que surgiram propostas que deram susto em muita gente, principalmente aquela da OAB de redução do número de vereadores e que foi logo apoiada por outros segmentos importantes da sociedade. Tremeu o prédio da Carlos Drummond de Andrade. Correria nos gabinetes.”Deus do céu, esta não, vão mexer no nosso bolso. Socorro!!! Gente, vamos propor a suspensão deste negócio. Tá dando zebra. Ufa. Vamos votar. Ahhh! Graças a Deus, conseguimos parar o processo. Acabou a ameaça”. Fica tudo pra depois de 2000. E o povo, gente, o que vai pensar, vai achar que é brincadeira, isto não pode ser assim não, ouviu-se na voz de uns poucos vereadores derrotados na votação.

E lá se vão as propostas para o arquivo. Desapareceu, assim, de uma hora pra outra, a necessidade de atualizar a nossa Lei Orgânica. Bobagem, ela está tão atualizada. Pra que então aquela discurseira toda no rádio, gastando recursos públicos, para dizer que agora não precisa mais da revisão? Pisaram na bola mais uma vez, gente. E aí vem a Copa, todo mundo se esquece e fica o dito pelo não dito. Será que vai ser assim? Vai ficar de graça outra vez???

Um abraço, nunca se esquecendo.

Resolveu a Câmara Municipal de Itabira promover uma revisão na Lei Orgânica. Ótimo, beleza, mas revisar o quê? Mudar o quê? Pensava comigo. Onde mexer? E muito cuidado pra que a emenda não saia pior que o soneto. E continuei a pensar, nossa Lei Orgânica não tem nem dez anos de idade e já vão mexer nela. Coisas do Brasil e de Itabira. Bem, aí vem o Presidente da Câmara, na imprensa falada e escrita, e diz que é para adequar a Lei Orgânica aos novos tempos, à realidade atual, que já não é a de dez anos atrás.

Formam-se as comissões, isto é importante, as comissões, credeciam-se os representantes da sociedade organizada, das entidades de classe, entre elas a nossa gloriosa OAB, a nossa 52ª subseção de Itabira, que vem logo com a proposta mais inteligente e afinada com a situação que vivemos: a redução do número de vereadores de nossa Câmara. E apresenta argumentos irrefutáveis, legais e de ordem financeira. Mas, está mais do que claro, gente, que Itabira não tem condições de sustentar e nem precisa de uma Câmara com 19 vereadores. É um absurdo, um desperdício de dinheiro e o povo é que está pagando. Meus parabéns, Jandiro, meus parabéns a todos os meus colegas advogados da 52ª subseção, pela lucidez da proposta. E se a tal revisão for para valer, mesmo, a proposta terá que ser aprovada, é claro.

E antes que eu me esqueça, ainda quero falar de um assunto que tem me preocupado de verdade. É o tal do transporte escolar na cidade. Depois da proliferação das bestas, das topics e outras mais, o transporte escolar parece que incorporou o espírito da Fórmula 1. Só pode ser. Nunca vi motoristas mais apressadinhos, inquietos, uma correria desgraçada. Parece que existe uma disputa entre eles, para ver quem faz o transporte com mais rapidez. Só tem uma coisa, a carga que levam é de crianças e acho que os carros nem estão equipados com cinto de segurança para elas. Pode isto? Vamos esperar que nada aconteça, mas que a irresponsabilidade é grande, ah, isso lá é. Bem que o Dr. Spencer já denunciou na televisão, coisa que eu já vinha percebendo há tempos. Com a palavra o Departamento de Trânsito da Prefeitura e o policiamento de trânsito da PM, porque o assunto é muito sério.

Um abraço e até a próxima.

Acordo pela manhã num dia destes, neste início de ano novo e penso, estou em 1999 e sinto um impacto, quase um susto. Só mais um ano e estaremos em 2000. Não é brincadeira não gente, senti mesmo algo diferente, que me fez parar, no ato, para pensar. E aquilo não me saiu da cabeça até agora.

Pensar devagar e profundamente no significado de estar no final de um milênio, para entrar no ano 2000. E talvez aí a razão do susto, estamos realmente prontos para o ano 2000, para a chamada Era de Aquário? Será que estaremos sintonizados para encarar uma virada de século junto com outra de mil anos? Vocês não sentem um friozinho na barriga não? O que será que nos espera? Eu não acredito que vocês estejam encarando isto sem emoção. É bom parar para pensar porque a contagem regressiva já começou.

E, pensando bem, podemos ter certeza de que devemos nos considerar privilegiados por termos a chance de viver neste momento, quando chegar o clímax da grande passagem, no dia 31 de dezembro de 1999. Claro, porque são duas marcas simultâneas, a virada do século e a do milênio. Com certeza, se trata de algo transcendental e quem estiver presente no grande dia, sintonizado com os fluídos que cobrirão a Terra, verá muito mais do que simples anoiteceres e amanheceres, mas enxergará, para sempre, o lado invisível do universo.

Por isto mesmo, me preocupo desde agora com a postura espiritual que deveremos ter para transpor a linha divisória do milênio. Também é importante escolher o lugar onde estar na hora da grande passagem. Dizem os entendidos que o lugar deve ser escolhido de acordo com o tipo de emoção que se quer viver. Para quem tiver com muito dinheiro pode ser Paris, Nova Iorque, Rio, ou um mosteiro no Nepal, ou Machu-Picchu, ou aqui mesmo, na esotérica Chapada Diamantina e vale até a Serra do Cipó, que fica muito mais barato.

Estou falando destas coisas na certeza de que chegaremos a 2000. Mas tem um porém que me preocupa, que é do pessoal que acha que o mundo vai acabar antes de 2000. É só ver o que anda acontecendo lá fora, nos Estados Unidos, por exemplo. Lá, uma seita, das milhares que existem, está anunciando que os computadores é que vão destruir o mundo em 1999. Se for verdade, é bom a gente ficar logo de olho nos nossos, no escritório, em casa, no serviço e, a qualquer sinal de perigo, cair de pau neles, sem dó. Pode parecer uma loucura, mas é bom ficar prevenido. Um apocalipse de computadores. Nunca se sabe…

Um abraço e até a próxima.