cronica_semana_09#_blog

Desde que esta é a primeira crônica nossa neste ano da graça de 1996,  acho que devemos, antes de mais nada, pedir a Deus, aos anjos e santos, serafins e querubins, que nos deem um ano feliz, produtivo e de paz entre os homens. Que haja mais seriedade, mais solidariedade e, principalmente, mais sinceridade entre as pessoas. Deixemos que o passado nos ensine melhor o caminho para o futuro. Aproveitemos os erros como lições para um futuro mais organizado, menos confuso. Volto a dizer, cuidado para não esquecer os erros cometidos, abaixo a memória curta.

Promessas e esperanças do ano novo. Sempre repetidas, umas jamais cumpridas, outras nunca alcançadas. Ainda assim, não sejamos pessimistas, vamos acreditar, quem sabe neste ano tudo será cumprido e realizado? Quem sabe? Fácil não é, entretanto, mas também não é impossível…

Aliás, temos motivos de sobra para estarmos bem atentos e com a memória bem fresca, pois este ano é ano de eleições municipais e é certo que o pau vai quebrar. E aí é que a memória não pode ser curta, mesmo, pois alguns dos personagens que virão à cena jã são nossos velhos conhecidos e não mudaram nada. Outros, novos, frescas novidades na área, brigando por um lugar ao sol, deixam seus nomes lançados para ver a reação do eleitor itabirano.

E por falar em eleitor itabirano, pelo que a gente pode imaginar, tem de haver um grande contingente de jovens eleitores, aí, na faixa de menos de vinte anos, que, certamente, poderá decidir as eleições. Ou não é? Aí, pergunto eu: quem tem a mensagem para estes jovens? Que linguagem falam com eles? O que eles querem e esperam do futuro prefeito de Itabira? Até agora, não vi nenhum dos falados candidatos tocar qualquer coisa neste sentido. Lamentável falha. Se eu fosse candidato já estaria trabalhando junto ao eleitor jovem, pesquisando suas aspirações e esperanças, para montar um programa de governo ao seu estilo. Porque está neles a esperança do mundo.

E que tal um candidato bem jovem? Aí vocês dirão: mas o jovem não tem a experiência. Aí eu responderia: mas tem a ousadia, tem a coragem e, principalmente, tem outra visão do mundo, que só os jovens podem ter e que pode nos conduzir a outros horizontes…

Por isto, um abraço e até a próxima, meus amigos.